frase

Blog onde os pais, professores, psicopedagogos, supervisores escolares podem se identificar e buscar apoio e informação

Maiores informações:
vdmzip@hotmail.com / vdmzip@yahoo.com.br

domingo, 30 de agosto de 2009

BANALIDADE

4 mil pessoas têm gripe suína e todo mundo quer usar máscaras. 33 MILHÕES têm AIDS e ninguém quer usar camisinha!
ATLETICANO DA MINHA VIDA
ÍNDIO DA MINHA VIDA!
COELHINHOS DA PÁSCOA
DOIS ANJINHOS
ESSES DOIS SÃO A RAZÃO DA MINHA VIDA !!!!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOPEDAGOGIA NA SUPERAÇÃO DO FRACASSO ESCOLAR



Podem ser muitas as razões que determinam o sucesso ou o fracasso escolar de um aprendiz, como: fatores fisiológicos, fatores psicológicos, mais precisamente de mobilização, condições pedagógicas e principalmente o meio sócio-cultural em que vive o ser humano.

Psicopedagogia Clínica

Diagnostica, orienta, atende em tratamento e investiga os problemas emergentes nos processos de aprendizagem. Esclarece os obstáculos que interferem para haver uma boa aprendizagem. Favorece o desenvolvimento de atitudes e processos de aprendizagem adequados. Realiza o diagnóstico-psicopedagógico, com especial ênfase nas possibilidades e perturbações da aprendizagem; esclarecimento e orientação daqueles que o consultam; a orientação de pais e professores, a orientação vocacional operativa em todos os níveis educativos. A psicopedagogia no campo clínico emprega como recurso principal a realização de entrevistas operativas dedicadas à expressão e a progressiva resolução da problemática individual e/ou grupal daqueles que a consultam.


Psicopedagogia Institucional


A Psicopedagogia vem atuando com muito sucesso nas diversas Instituições, sejam escolas, hospitais e empresas. Seu papel é analisar e assinalar os fatores que favorecem, intervém ou prejudicam uma boa aprendizagem em uma instituição. Propõe e ajuda o desenvolvimento dos projetos favoráveis a mudanças, também psicoprofilaticamente. A aprendizagem deve ser olhada como a atividade de indivíduos ou grupos humanos, que mediante a incorporação de informações e o desenvolvimento de experiências, promovem modificações estáveis na personalidade e na dinâmica grupal as quais revertem no manejo instrumental da realidade. A aprendizagem não só objetiva a criança ou adolescente, mas o adulto e profissionais na integração e reintegração grupal.

REFLETINDO SOBRE A PRÁTICA

Visando favorecer a apropriação do conhecimento pelo ser humano, ao longo de sua evolução, a ação psicopedagógica consiste numa leitura e releitura do processo de aprendizagem, bem como da aplicabilidade de conceitos teóricos que lhe dêem novos contornos e significados, gerando práticas mais consistentes, que respeitem a singularidade de cada um e consigam lidar com resistências. A ação desse profissional jamais pode ser isolada, mas integrada à ação da equipe escolar, buscando, em conjunto, vivenciar a escola, não só como espaço de aprendizagem de conteúdos educacionais, mas de convívio, de cultura, de valores, de pesquisa e experimentação, que possibilitem a flexibilização de atividades docentes e discentes.
Utilizando a situação específica de incorporação de novas dinâmicas em sala de aula, contemplando a interdisciplinaridade, juntamente com outros profissionais da escola, o psicopedagogo estimula o desenvolvimento de relações interpessoais, o estabelecimento de vínculos, a utilização de métodos de ensino compatíveis com as mais recentes concepções a respeito desse processo. Procura envolver a equipe escolar, ajudando-a a ampliar o olhar em torno do aluno e das circunstâncias de produção do conhecimento.
A prática psicopedagógica tem contribuído para a flexibilização da atuação docente na medida em que coloca questões que estimulam a reflexão e a confrontação com temáticas ainda insuficientemente discutidas, de manejo delicado, que, na maioria das vezes, podem produzir conflito. Isto se deve, em geral, ao quadro de comprometimento do aluno/instituição, que apresenta dificuldades múltiplas, envolvendo as competências cognitivas, emocionais, atitudinais, relacionais e comunicativas almejadas e necessárias à sociedade. Em decorrência, ações específicas, integradas e complementares de diferentes profissionais devem compor um projeto de escola coerente e impulsionador de valores e relações humanas vividos no ambiente escolar. Projeto que envolva o recurso humano: professores, alunos, comunidade para, através dele, transformar não só a cultura que se vive na escola, mas na sociedade.




A ação psicopedagógica e a transformação da realidade escolar

A atuação do Psicopedagogo na instituição visa a fortalecer-lhe a identidade, bem como buscar o resgate das raízes dessa instituição, ao mesmo tempo em que procura sintonizá-la com a realidade que está sendo vivenciada no momento histórico atual, buscando adequar essa escola às reais demandas da sociedade.Durante todo o processo educativo, procura investir numa concepção de ensino-aprendizagem que:


-Fomente interações interpessoais;
-Incentive os sujeitos da ação educativa a atuarem considerando integradamente as bagagens intelectual e moral;
-Estimule a postura transformadora de toda a comunidade educativa para, de fato, inovar a prática escolar; contextualizando-a;
-Enfatize o essencial: conceitos e conteúdos estruturantes, com significado relevante, de acordo com a demanda em questão;
-Oriente e interaja com o corpo docente no sentido de desenvolver mais o raciocínio do aluno, ajudando-o a aprender a pensar e a estabelecer relações entre os diversos conteúdos trabalhados;
-Reforce a parceria entre escola e família;
-Lance as bases para a orientação do aluno na construção de seu projeto de vida, com clareza de raciocínio e equilíbrio;
-Incentive a implementação de projetos que estimulem a autonomia de professores e alunos;
-Atue junto ao corpo docente para que se conscientize de sua posição de “eterno aprendiz”, de sua importância e envolvimento no processo de aprendizagem, com ênfase na avaliação do aluno, evitando mecanismos menores de seleção, que dirigem apenas ao vestibular e não à vida.


Nesse sentido, o material didático adotado, após criteriosa análise, deve ser utilizado como orientador do trabalho do professor e nunca como o único recurso de sua atuação docente.Com certeza, se almejamos contribuir para a evolução de um mundo que melhore as condições de vida da maioria da humanidade, nossos alunos precisam ser capazes de olhar esse mundo real em que vivemos, interpretá-lo, decifrá-lo e nele ter condições de interferir com segurança e competência.


Para tanto, juntamente com toda a Equipe Escolar, o Psicopedagogo estará mobilizado na construção de um espaço concreto de ensino- aprendizagem, espaço este orientado pela visão de processo, através do qual todos os participantes se articulam e mobilizam na identificação dos pontos principais a serem intensificados e hierarquizados, para que não haja ruptura da ação, e sim continuidade crítica que impulsione a todos em direção ao saber que definem e lutam por alcançar.


Considerando a escola responsável por parcela significativa da formação do ser humano, o trabalho psicopedagógico na instituição escolar, que podemos chamar de psicopedagogia preventiva, cumpre a importante função de socializar os conhecimentos disponíveis, promover o desenvolvimento cognitivo e a construção de normas de conduta inseridas num mais amplo projeto social, procurando afastar, contrabalançar a necessidade de repressão. Assim, a escola, como mediadora no processo de socialização, vem a ser produto da sociedade em que o indivíduo vive e participa. Nela, o professor não apenas ensina, mas também aprende. Aprende conteúdos, aprende a ensinar, a dialogar e liderar; aprende a ser cada vez mais um cidadão do mundo, coerente com sua época e seu papel de ensinante, que é também aprendente. Agindo assim, a maioria das questões poderão ser tratadas de forma preventiva, antes que se tornem verdadeiros problemas.

MUDE SUA VIDA


Mude.



Mas comece devagar,


porque a direção é mais importante que a velocidade.

Sente-se em outra cadeira, no outro lado da mesa.


Mais tarde, mude de mesa.


Quando sair, procure andar pelo outro lado da rua.


Depois, mude de caminho, ande por outras ruas,


calmamente,


observando com atenção os lugares por onde você


passa.


Tome outros ônibus.



Mude por uns tempos o estilo das roupas.


Dê os teus sapatos velhos. Procure andar descalço


alguns dias.


Tire uma tarde inteira pra passear livremente na


praia, ou no parque,


e ouvir o canto dos passarinhos.


Veja o mundo de outras perspectivas.


Abra e feche as gavetas e portas com a mão esquerda.


Durma do outro lado da cama...


depois, procure dormir em outras camas.


Assista a outros programas de TV, compre outros


jornais... leia outros livros.


Viva outros romances.


Não faça do hábito um estilo de vida.


Ame a novidade.


Durma mais tarde. Durma mais cedo.


Aprenda uma palavra nova por dia numa outra língua.


Corrija a postura.


Coma um pouco menos, escolha comidas diferentes,


novos temperos, novas cores, novas delícias.


Tente o novo todo dia,


o novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo


jeito, o novo prazer, o novo amor, a nova vida.


Tente.


Busque novos amigos.


Tente novos amores.



Faça novas relações.


Almoce em outros locais, vá a outros restaurantes,


tome outro tipo de bebida, compre pão em outra


padaria.


Almoce mais cedo, jante mais tarde ou vice-versa.


Escolha outro mercado... outra marca de sabonete,


outro creme dental...


tome banho em novos horários.


Use canetas de outras cores


Vá passear em outros lugares.


Ame muito, cada vez mais, de modos diferentes.


Troque de bolsa, de carteira, de malas,


troque de carro, compre novos óculos, escrevas outras


poesias.


Jogue fora os velhos relógios,


quebre delicadamente esses horrorosos despertadores.


Abra conta em outro banco.


Vá a outros cinemas, outros cabeleireiros, outros


teatros, visite novos museus.


Mude.


Lembre-se que a vida é uma só.


E pense seriamente em arrumar um novo emprego,


uma nova ocupação, um trabalho mais light, mais


prazeroso,


mais digno, mais humano.


Se você não encontrar razões para ser livre,


invente-as.


Seja criativo.


E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa,


longa,


se possível sem destino.


Experimente coisas novas.


Troque novamente.


Mude, de novo.



Experimente outra vez.




Você certamente conhecerá coisas melhores


e coisas piores do que as já conhecidas.


Mas não é isso o que importa.


O mais importante é a mudança, o movimento, o


dinamismo, a energia.


Só o que está morto não muda!"


Pedro Bial

Escreva a Sua História

Escreva a sua história na areia da praia,

Para que as ondas a levem através dos 7 mares;

Ate tornar-se lenda na boca de estrelas cadentes.



Conte a sua história ao vento,

Cante aos mares para os muitos marujos;

Cujos olhos são faróis sujos e sem brilho.



Escreva no asfalto com sangue,

Grite bem alto a sua história antes que ela seja varrida na

Manha seguinte pelos garis.



Abra o peito em direção dos canhões,

Suba nos tanques de Pequim,

Derrube os muros de Berlim,

Destrua as cátedras de Paris.



Defenda a sua palavra,

A vida nao vale nada se você nao tem uma boa história pra contar.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Um blog onde a esperança na educação e a psicopedagogia caminham juntas

Bom hoje comecei a montar o meu blog aguardem!!!!!!!!!!!!!